Pular para o conteúdo principal

Flash Gordon por Edgar P. Jacobs


Em 1942, com a ocupação da Bélgica pelos nazistas, a publicação das pranchas dominicais de Flash Gordon (chamado de Gordon l'Intrepide) de Alex Raymond foi interrompida na revista Bravo, a solução adotada pelo periódico foi encomendar o termino da história para Edgar P. Jacobs (1904-1987), Jacobs fez apenas cinco pranchas, quando pararam de publicar a série. Anos antes, em 1938, isso havia acontecido na Itália fascista, onde Guido Fantoni ilustrou histórias de Flash Gordon, Fantasma e Mandrake.

Curiosamente, Jijé também ilustrou Superman para a revista Spirou pela mesma razão.

No ano seguinte, iniciou uma nova série Le Rayon U, nitidamente inspirada em Flash Gordon, com personagem bastante parecidos fisicamente com os da série americana  (tal qual aconteceu com a história brasileira do Mandrake), mas como uma trama diferente, mostrando uma expedição científica em busca de um mineral raro por habitantes de um planeta distante, basta lembrar que George Lucas criou Star Wars depois de não pode dirigir um filme sobre Flash Gordon. Posteriormente, Jacobs trabalharia com Hergé em Tintin, adotando o estilo "linha clara", cuja criação é atribuída a Hergé, que teve George McManus de Bringing Up Father/Pafúncio e Marocas como uma de suas inspirações. Em 1946, Jacobs criou sua série mais famosa, Blake et Mortimer para a revista Tintin.








Links

Desenhos animados do gênero sword and planet - parte 1

Bravo!

Le tre vite di Bravo


Blake y Mortimer:La edad de oro de la línea clara

A corrida ao urádio

O raio U: uma história de todas as aventuras

Reused Character Design - TV Tropes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os quadrinhos de Caverna do Dragão

Em 1983, a Marvel Productions lançou uma adaptação animada do primeiro RPG de mesa da história, Dungeons and Dragons. A empresa foi formada em 1981, após a Cadence Industries Corporation (dona da Marvel na época), comprar o estúdio DePatie-Freeleng.

A série foi criada após a CBS recusar o projeto Sword and Sworcery da própria Marvel Productions, a solução foi conseguir uma licença com a TSR Inc, a editora ainda lançaria adaptações de Conan, tanto em adaptações para D&D (1984), quanto em um sistema próprio (1985), na época, licenciado pela Marvel e Marvel Super Heroes RPG (1984), que usava um sistema próprio chamado FASERIP system.

A série teve 27 episódios distribuídos em 3 temporadas.

Nos Estados Unidos, a série gerou diversos produtos licenciados, exceto revistas em quadrinhos, embora em 1981, a própria Marvel havia publicado anúncios do RPG Dungeons and Dragons em forma de páginas de quadrinhos (assim como ocorreu com G.I. Joe, que anos depois, ganharia uma revista pela própri…

O mangá da série Fundação de Isaac Asimov

Isaac Asimov (1919-1992)  foi um dos escritores de ficção científica mais prolíficos de todos os tempos, formado em bioquímica, também foi um conhecido divulgador científico.

Em 1939, começou a publicar em revistas pulps, histórias de robôs, que logo se tornariam conhecidas por causa das Três Leis da Robótica, criadas por ele e o editor John W. Campbell, em 1942,  iniciou uma nova série chamada Foundation (Fundação em português), inspirado no livro The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (A História do Declínio e Queda do Império Romano) de Edward Gibbon.

Inicialmente, a série eram apenas oito contos publicados entre 1942 e 1950 na revista Astounding Magazine (antes chamada de Astounding Magazine e atualmente conhecida como Analog Science Fiction and Fact), na série, o matemático Hari Seldon cria a psico-história, um misto de matemática, sociologia e história para fazer previsões futuras.



Em 1950, Asimov publica seu primeiro romance completo, Pebble in the Sky (No Bras…

Os quadrinhos franco-belgas de Lucky Starr, série juvenil de Isaac Asimov

Em 1951, o agente literário e escritor Frederik Pohl e o editor Walter Bradbury procuraram Isaac Asimov e sugeriram que ele criasse uma série infanto-juvenil para ser adaptada para a televisão, temendo ficar marcado por essa série, o escritor resolveu usar o pseudônimo Paul French (Paul francês em português), a série foi inspirada em Lone Ranger e o primeiro livro lançado no ano seguinte com o título David Starr, Space Ranger (As Cavernas de Marte no Brasil) pela Doubleday, em 1953, lançou Lucky Starr and the Pirates of the Asteroids, contudo, a série de TV nunca foi lançada, uma vez que em 1954 surgia a série de TV  Rocky Jones, Space Ranger, que inviabilizou o projeto.





O primeiro romance foi uma espécie de space western ou faroeste espacial, sendo inspirado no Lone Ranger, o personagem David Starr (cujo apelido era Lucky) usava inclusive uma máscara e era conhecido como Space Ranger, o romance foi ambientado em Marte, embora fosse uma obra juvenil, a descrição do planeta Vermelho foi…