Pular para o conteúdo principal

Superman por Jijé




Em abri de 1938, a editora belga Dupuis lançou a revista Le Journal de Spirou, a série principal era Spirou, personagem criado por Rob-Vel, publicando também séries americanas de Dick Tracy de Chester Gould, Rei da Polícia Montada, ilustrada por Allen Dean, com roteiros de Stephen Slesinger e Romer  Grey, filho do escritor de faroeste Zane Grey, Slesinger havia conseguido a licença para usar o nome do escritor, dando impressão de ser uma criação do mesmo.

Em 1939, a editora começou a publicar Superman por Jerry Siegel e Joe Shuster e Red Ryder, outra série cocriada por  Slesinger  com colaboração do desenhista Fred Harman, devido a semelhança de Red Ryder com Bronc Peeler, outra criação de Harman, ambos tinham o mesmo sidekick, o jovem índio Little Beaver (Filhote de Castor no Brasil), contudo, havia uma diferença, Bronc Peeler era um "cowboy moderno" como o Vigilante da DC Comics e alguns dos filmes estrelados por Gene Autry.

Apesar dessas diferenças temporais, esses personagens eram constantemente confundidos no Brasil, a ponto de ambos serem publicados com o mesmo nome, Bronco Piler, o personagem também foi chamado de Cavaleiro Vermelho e Nevada, esse por sua vez era o nome de um personagem de Grey.




Conforme comentei em outras postagens, os quadrinhos americanos foram proibidos, primeiro na Itália, onde Flash Gordon foi desenhado por Guido Fantoni e depois na Bélgica, onde foi desenhado por Edgar P. Jacobs, coube a Joseph Gillain, mais conhecido Jijé (1914-1980), dar continuidade a Superman (chamado de Marc, Hercule moderne) e a Red Ryder (Cavalier Rouge), Jijé trabalhou com Superman entre 1939 e 1945 e Red Ryder em 1940.

Joseph Goebbels, ministro de propaganda do partido nazista acusava o Superman de ser judeu, o fato é que foi criado por dois judeus, em 1941, começaram a surgir personagens criados como resposta ao nazismo, como o Capitão América, também criado por judeus.


Paralelo a isso, Jijé trabalhava em Spirou, uma vez que Rob-Vel que havia sido convocado para a guerra, o artista retornaria em 1941, contudo, em 1943, a série seria comprada pela editora, que chamou novamente Jijé para trabalhar na série.


Jijé, inspirado em Milton Caniff, criou "escola de Marcinelle" ou "estilo atômico", um estilo que concorria com a linha clara de Hergé e Edgar P. Jacobs, Jijé teve que seguir o estilo de Shuster em Superman, que se assemelhava ao estilo cartunesco de Roy Crane, criador de Captain Easy, Soldier of Fortune (Capitão Cesar no Brasil), série de aventura que surgiu como a serie de humor, Wash Tubbs e Buz Swayer (Jim Gordon no Brasil).





Links

Joseph Gillain (Jijé) dans le journal de Spirou

Grandes personagens dos quadrinhos – Spirou e Fantasio

Quadrinhista belga ganha museu

Superman - Publication en France

Matérias sobre Spirou no site Tu Já Viu


A importância da linha clara e do estilo atômico

Revista Spirou celebra 75 anos

Exposição “Centenário De Jijé – Mestre De Banda Desenhada”, De 29 De Maio A 11 De Julho, na Bedeteca da Amadora

French Collection #27

Joe Shuster

Gringos Locos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O mangá da série Fundação de Isaac Asimov

Isaac Asimov (1919-1992)  foi um dos escritores de ficção científica mais prolíficos de todos os tempos, formado em bioquímica, também foi um conhecido divulgador científico.

Em 1939, começou a publicar em revistas pulps, histórias de robôs, que logo se tornariam conhecidas por causa das Três Leis da Robótica, criadas por ele e o editor John W. Campbell, em 1942,  iniciou uma nova série chamada Foundation (Fundação em português), inspirado no livro The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (A História do Declínio e Queda do Império Romano) de Edward Gibbon.

Inicialmente, a série eram apenas oito contos publicados entre 1942 e 1950 na revista Astounding Magazine (antes chamada de Astounding Magazine e atualmente conhecida como Analog Science Fiction and Fact), na série, o matemático Hari Seldon cria a psico-história, um misto de matemática, sociologia e história para fazer previsões futuras.



Em 1950, Asimov publica seu primeiro romance completo, Pebble in the Sky (No Bras…

Os quadrinhos de Caverna do Dragão

Em 1983, a Marvel Productions lançou uma adaptação animada do primeiro RPG de mesa da história, Dungeons and Dragons. A empresa foi formada em 1981, após a Cadence Industries Corporation (dona da Marvel na época), comprar o estúdio DePatie-Freeleng.

A série foi criada após a CBS recusar o projeto Sword and Sworcery da própria Marvel Productions, a solução foi conseguir uma licença com a TSR Inc, a editora ainda lançaria adaptações de Conan, tanto em adaptações para D&D (1984), quanto em um sistema próprio (1985), na época, licenciado pela Marvel e Marvel Super Heroes RPG (1984), que usava um sistema próprio chamado FASERIP system.

A série teve 27 episódios distribuídos em 3 temporadas.

Nos Estados Unidos, a série gerou diversos produtos licenciados, exceto revistas em quadrinhos, embora em 1981, a própria Marvel havia publicado anúncios do RPG Dungeons and Dragons em forma de páginas de quadrinhos (assim como ocorreu com G.I. Joe, que anos depois, ganharia uma revista pela própri…

Lanterna Verde por Gedeone Malagola

História descoberta por Ranieri Andrade do Museu dos Gibis, história do Lanterna Verde produzida por Gedeone Malagola para a DC Comics, a história foi recusada, mas o autor enviou uma cópia ao fanzineiro Valdir de Amorim Dâmaso (falecido em novembro 2014), famoso pelos fanzines de seu selo Gibizada, o roteiro foi ilustrado pelo próprio Malagola, podendo servir como uma espécie de storyboard.

Como se sabe, Malagola criou seu herói Raio Negro inspirado na origem do Lanterna Verde da Era de Prata, Hal Jordan e no visor usado pelo vilão Slits da tira Terry e os Piratas de Milton Caniff, segundo ele:

“Aí, Jayme Cortez, excelente capista e péssimo diretor de arte, entregou-me um maço de quadrinhos do Lanterna Verde, Adam Strange e outros. ‘Olhe, Gedeone, faça uma cópia do Lanterna verde e do Flash. Quero um herói nessa base’, disse ele. Eu respondi: ‘Não vai dar galho isso?’ ‘Dá nada, jamais esses heróis serão lançados no Brasil. Faça algo rápido!’ foi a resposta de Cortez.” Fonte: Revista M…