Pular para o conteúdo principal

Os mangás de King Kong



Esse post pode ser visto como uma continuação dos posts sobre mangás de TarzanBetty Boop e Planeta dos Macacos.

King Kong, o gorila gigante surgiu em um filme de mesmo nome lançado em 1933 pela RKO Pictures, a criação é do diretor Merian C. Cooper, que criou o argumento ao lado do escritor Edgar Wallace, com roteiro final de James Creelman e Ruth Rose e estrelado por Fay Wray e Robert Armstro.

A influência na cultura pop japonesa é antiga, ainda em 1933, o diretor japonês Torajiro Saito lançou Wasei Kingu Kongu (literalmente, King Kong japonês), o filme foi produzido pelo Shochiku, o mesmo que lançou o filme original da RKO. Em 1938, foi lançado o filme Edo ni Arawareta Kingu Kong, udirigido por Sōya Kumagai, escrito por Daijō Aoyama e distribuído por Zenshō Cinema.

A influência é óbvia na franquia Godzilla da Toho, a ponto terem protagonizado um crossover, King Kong vs. Godzilla de 1962. O produtor Eiji Tsuburaya que trabalhou no primeiro filme do Godzilla de 1954 fundou a própria empresa Tsuburaya e lançou o herói Ultraman, ou seja, invariavelmente, King Kong inspirou o gênero kaiju (monstros gigantes) e os heróis dos tokusatsus. Kong também inspirou Donkey Kong, um jogo de fliperama, criado por Shigeru Miyamoto lançado pela Nintendo em 1981, o herói do jogo era chamado de Jumpman, curiosamente, o jogo seria diferente, a ideia seria criar um jogo licenciado do Popeye, com o tempo, Jumpman virou Mario Bros. e Donkey Kong virou uma franquia distinta, já sem qualquer semelhança com Kong. Em Dragon Ball de Akira Toriyama, o personagem principal Son Goku (inspirado em um macaco romance chinês) virava um símio gigante que lembrava tanto o King Kong, quanto a lenda do Lobisomem.


King Kong em quadrinhos não é uma novidade, ainda em 1933, para divulgar o filme, Glenn Cravath foi contrato para criar uma tira sobre o filme, algo parecido com o filme The Jungle Book estrelado por Sabu Dastagir em 1942.

Vamos aos mangás, novamente um trabalho de Osamu Tezuka aparece com um mangá de personagem norte-americano sem a devida licença, o mangá de Tezuka sobre King Kong foi laçado em 1947.


Conforme mencionei acima, em 1962, King Kong participou de um filme de Godzilla produzido pela Toho, em 1966, a produtora Videocraft e a Toei Animation produziram o desenho animado The King Kong Show, foi um dos primeiros desenho coproduzidos no Japão, um outro foi Johnny Cypher in Dimension Zero, lançado no ano seguinte. A série de character design de Jack Davis (1924-2016), um lendário cartunista muito associado com a satírica revista Mad e Rod Willis.

Em The King Kong Show, o símio gigante faz amizade com a família Bond, composta por Professor Bond, sua filha adolescente Susan Bond e o garoto Bobby Bond, que contam a ajuda do piloto Capitão Englehorn, o vilão da série é o Dr. Who (nenhuma relação com a eterna série britânica) e sua versão robótica do primata, o Mechani-Kong.








Em 1966, ganhou uma revista pela editora Hikari no Kuni, não foi possível descobrir o(s) autor(es).




Em 1967, a Shonen Magazine da Kodansha obtém uma licença para publicar mangás da série com roteiros de Ikki Kajiwara (assinado como) conhecido por mangás como Tiger Mask (ilustrado por Naoki Tsuji) e Ashita no Joe (ilustrado por Tetsuya Chiba) e desenhos de Daiji Kazumine (muito associado com tokusatsus, criador de National Kid e responsável por mangás de Ultraman, Ultra Seven e Spectreman). Nos Estados Unidos, a série teve apenas uma HQ publicada em America's Best TV Comics #1 da Marvel Comics.




Em 1967, é lançado filme live-action King Kong Escapes, inspirado na série animada, onde Dr. Who e o Mechani-Kong aparecem. A série animada é cancelada em 1969, após 3 temporadas.

Mechani-Kong inspirou o MechaGodzilla do filme Godzilla vs. Mechagodzilla de 1974.


Entre 1992 e 1993, Mechani-Kong é reconstruído pelo Doutor Oniyama e rebatizado de Mechani-Kong II no mangá Godzilla, King of the Monsters com roteiros de Hisashi Yasui e desenhos de Hiroshi Kawamoto publicado na revista DX Bombom da Bombom Comics, com dois volumes encadernados publicados pela própria Bombom e pela Kodansha.

Mechani-Kong faz uma breve aparição no anime infanto-juvenil Godzilland de 1993 (criado para promover os filmes Godzilla vs. Mothra and Godzilla vs. Mechagodzilla II. Um novo crossover entre King Kong e Godzilla está previsto para 2020.


Em 1976, um remake foi lançado, produzido por Dino De Laurentiis, com roteiro de Lorenzo Semple Jr. e direção de John Guillermin e estrelado por Jeff Bridges e Jessica Lange. Uma quadrinização por Kenji Tagami foi publicada na versão mensal da Shonen Magazine da Kodansha



Em 2005, foi lançado um remake, dirigido por Peter Jackson com roteiro dele, sua esposa, Fran Walsh (que também era coprodutora) e Philippa Boyens, estrelado por Jack Black, Naomi Watts e Andrien Brody. O filme gerou adaptações no Japão, um mangá produzido por Matsueda Naotsugu publicado na versão mensal da Shonen Jump, com o encadernado lançado no ano seguinte.







Ver também
Kaijus europeus e as histórias em quadrinhos

Fontes e referências

Kong count #22 – The King Kong Show

Kong count #50 – Ikki Kajiwara/Daiji Kazumine manga

Kong count #68 – Osamu Tezuka manga

Mangá do filme de 1976 (em japonês)

The Aomushi Showa Manga Library - The Comics Journal

The King Kong Show - King Kong Wikia

The King Kong Show - Godzilla Wikia

King Kong - Wikipédia (em inglês)

King Kong (comics) - Wikipédia (em inglês)

Godzilla, King of the Monsters (Kodansha Manga Series) - Wikizila

Mechani-Kong - Wikizila

Hikari no Kuni Comics King Kong 3 vol. set (1966) - Mandarake

O King Kong em mangá - Anime Pró

King Kong, mangá de 2005 (em japonês)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O mangá da série Fundação de Isaac Asimov

Isaac Asimov (1919-1992)  foi um dos escritores de ficção científica mais prolíficos de todos os tempos, formado em bioquímica, também foi um conhecido divulgador científico.

Em 1939, começou a publicar em revistas pulps, histórias de robôs, que logo se tornariam conhecidas por causa das Três Leis da Robótica, criadas por ele e o editor John W. Campbell, em 1942,  iniciou uma nova série chamada Foundation (Fundação em português), inspirado no livro The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (A História do Declínio e Queda do Império Romano) de Edward Gibbon.

Inicialmente, a série eram apenas oito contos publicados entre 1942 e 1950 na revista Astounding Magazine (antes chamada de Astounding Magazine e atualmente conhecida como Analog Science Fiction and Fact), na série, o matemático Hari Seldon cria a psico-história, um misto de matemática, sociologia e história para fazer previsões futuras.



Em 1950, Asimov publica seu primeiro romance completo, Pebble in the Sky (No Bras…

Os quadrinhos de Caverna do Dragão

Em 1983, a Marvel Productions lançou uma adaptação animada do primeiro RPG de mesa da história, Dungeons and Dragons. A empresa foi formada em 1981, após a Cadence Industries Corporation (dona da Marvel na época), comprar o estúdio DePatie-Freeleng.

A série foi criada após a CBS recusar o projeto Sword and Sworcery da própria Marvel Productions, a solução foi conseguir uma licença com a TSR Inc, a editora ainda lançaria adaptações de Conan, tanto em adaptações para D&D (1984), quanto em um sistema próprio (1985), na época, licenciado pela Marvel e Marvel Super Heroes RPG (1984), que usava um sistema próprio chamado FASERIP system.

A série teve 27 episódios distribuídos em 3 temporadas.

Nos Estados Unidos, a série gerou diversos produtos licenciados, exceto revistas em quadrinhos, embora em 1981, a própria Marvel havia publicado anúncios do RPG Dungeons and Dragons em forma de páginas de quadrinhos (assim como ocorreu com G.I. Joe, que anos depois, ganharia uma revista pela própri…

Lanterna Verde por Gedeone Malagola

História descoberta por Ranieri Andrade do Museu dos Gibis, história do Lanterna Verde produzida por Gedeone Malagola para a DC Comics, a história foi recusada, mas o autor enviou uma cópia ao fanzineiro Valdir de Amorim Dâmaso (falecido em novembro 2014), famoso pelos fanzines de seu selo Gibizada, o roteiro foi ilustrado pelo próprio Malagola, podendo servir como uma espécie de storyboard.

Como se sabe, Malagola criou seu herói Raio Negro inspirado na origem do Lanterna Verde da Era de Prata, Hal Jordan e no visor usado pelo vilão Slits da tira Terry e os Piratas de Milton Caniff, segundo ele:

“Aí, Jayme Cortez, excelente capista e péssimo diretor de arte, entregou-me um maço de quadrinhos do Lanterna Verde, Adam Strange e outros. ‘Olhe, Gedeone, faça uma cópia do Lanterna verde e do Flash. Quero um herói nessa base’, disse ele. Eu respondi: ‘Não vai dar galho isso?’ ‘Dá nada, jamais esses heróis serão lançados no Brasil. Faça algo rápido!’ foi a resposta de Cortez.” Fonte: Revista M…