Pular para o conteúdo principal

Os mangás de Tarzan


Tarzan foi criado pelo escritor americano Edgar Rice Burroughs e estreou em 1912 nas páginas da revista pulp All-Story Magazine.

O sucesso do personagem se deve aos cinemas, desde o seu primeiro filme Tarzan of the Apes de 1918, estrelado por Elmo Lincoln. O ator Johnny Weissmuller foi o interprete que ficou mais tempo no papel, estrelando 12 filmes entre 1932 e 1948.


A exemplo de Betty Boop, o personagem Tarzan foi bastante popular no Japão, a ponto ter mangás não-oficiais, era uma época em que não havia um controle mundial de marcas registradas.


Fukujiro Yokoi (1912-1948) criou suas próprias histórias de Tarzan publicadas pela editora Kobunsha (pertencente ao grupo Kodansha),  sua versão de Tarzan é bem diferente, com Tarzan lutando contra conspiradores internacionais e até contra robôs. A primeira publicação foi em 1948, mesmo ano em que o autor faleceu, a obra foi publicada postumamente até meados da década de 1950.







Conforme comentei em outro post, Osamu Tezuka era fã de Yokoi, ele também sofreu influências de Tarzan e também criou sua própria versão ainda no ano de 1948, Tarzan no Himitsu Kichi (algo como a base secreta de Tarzan), uma versão do herói também aparece no ano anterior em Shin Takarajima (A Nova Ilha do Tesouro)

Capa de Tarzan no Himitsu Kichi




Outra versão de Tarzan foi publicada em 1957 nas páginas da revista Shōnen Gahō (atualmente conhecida como Shōnen Gahōsha), Shonen taazan wa yuku, escrito por Yamada Akamaro e desenhado por Toyoda Minoru é o que os pesquisadores classificam como emonogatari, um tipo de narrativa que misturam páginas com textos e desenhos, derivado dos kamishibais, os teatros de papéis que aos poucos, foram incorporando páginas de quadrinhos propriamente ditos.

A história mostra um Tarzan e um garoto japonês chamado Boy (tal qual o Boy interpretado por Johnny Sheffield que aparecia nos filmes estrelados por Johnny Weissmuller) com elementos fantásticos, Tarzan possui um anel de diamante e um espelho que lhe mostra lugares distantes no espaço e no tempo.


Devem ter outros mangás de Tarzan, mas se concentrei nesses três exemplos, a influência do personagem pode ser vista até mesmo nos tokusatsus, em Jaspion, série da Toei Company de 1985 e 1986 que fez bastante sucesso no Brasil, tanto, o herói-título é encontrado pelo ancião Edin é chamado de Ginga no Taazan (O Tarzan galático em tradução literal), o nome também usado para um órfão que Tarzan encontra no final da série, ambos são órfãos, Jaspion pode ser considerado uma criança selvagem, já que Edin o criou entre os animais, talvez possa até ser classificado como tarzanide, nome que o francês Francis Lacassin cunhou para personagem inspirado no Homem-Macaco.



Referências


Fukujiro Yokoi - Lambiek

Tarzan (1948) - Mandarake

Menção a Tarzan em artigo publicado no site oficial de Osamu Tezuka (em japonês)

Tarzan de outra montanha (tradução do título em japonês)

O Tarzan que veio para o Japão (tradução do título em japonês)

Emonogatari in the Age of Comics, 1948-1957 - The Comics Journal

Manga Finds Pirate Gold: The Case of New Treasure Island - The Comics Journal

Tezuka Osamu Outwits the Phantom Blot: The Case of New Treasure Island cont’d


Unknown In English 5: Fukujiro Yokoi - Helen McCarthy

TARZAN NO KETTO (Japanese Edition) eBook Kindle



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O mangá da série Fundação de Isaac Asimov

Isaac Asimov (1919-1992)  foi um dos escritores de ficção científica mais prolíficos de todos os tempos, formado em bioquímica, também foi um conhecido divulgador científico.

Em 1939, começou a publicar em revistas pulps, histórias de robôs, que logo se tornariam conhecidas por causa das Três Leis da Robótica, criadas por ele e o editor John W. Campbell, em 1942,  iniciou uma nova série chamada Foundation (Fundação em português), inspirado no livro The History of the Decline and Fall of the Roman Empire (A História do Declínio e Queda do Império Romano) de Edward Gibbon.

Inicialmente, a série eram apenas oito contos publicados entre 1942 e 1950 na revista Astounding Magazine (antes chamada de Astounding Magazine e atualmente conhecida como Analog Science Fiction and Fact), na série, o matemático Hari Seldon cria a psico-história, um misto de matemática, sociologia e história para fazer previsões futuras.



Em 1950, Asimov publica seu primeiro romance completo, Pebble in the Sky (No Bras…

Lanterna Verde por Gedeone Malagola

História descoberta por Ranieri Andrade do Museu dos Gibis, história do Lanterna Verde produzida por Gedeone Malagola para a DC Comics, a história foi recusada, mas o autor enviou uma cópia ao fanzineiro Valdir de Amorim Dâmaso (falecido em novembro 2014), famoso pelos fanzines de seu selo Gibizada, o roteiro foi ilustrado pelo próprio Malagola, podendo servir como uma espécie de storyboard.

Como se sabe, Malagola criou seu herói Raio Negro inspirado na origem do Lanterna Verde da Era de Prata, Hal Jordan e no visor usado pelo vilão Slits da tira Terry e os Piratas de Milton Caniff, segundo ele:

“Aí, Jayme Cortez, excelente capista e péssimo diretor de arte, entregou-me um maço de quadrinhos do Lanterna Verde, Adam Strange e outros. ‘Olhe, Gedeone, faça uma cópia do Lanterna verde e do Flash. Quero um herói nessa base’, disse ele. Eu respondi: ‘Não vai dar galho isso?’ ‘Dá nada, jamais esses heróis serão lançados no Brasil. Faça algo rápido!’ foi a resposta de Cortez.” Fonte: Revista M…

Mickey Mouse por Guglielmo Guastaveglia

Como se sabe, a Itália é a maior produtora de quadrinhos Disney pelo mundo, contudo, as primeiras histórias produzidas no país não eram oficiais, as tiras originais estrearam em março de 1930 no Illustrazione del popolo , um suplemento do jornal Gazzetta del Popolo, entre abril e agosto de 1931, o jornal Il Popolo di Roma publicou pranchas de Mickey Mouse por Guglielmo Guastaveglia. Guastaveglia fez crossovers do Mickey e Minnie (chamados de Topolino e Topolina, topolino é um nome dado ao rato doméstico ou camundongo) com Gato Félix (Mio Miao) e usou Kat Nipp (Gatto Nipp), um vilão dos primeiros curtas do Mickey que era usado nas tiras por Floyd Gottfredson, o nome é alusão a catnip, erva do gato, o personagem lembra as primeiras versões de  Peg Le Pete (Bafo no Brasil), porém, Pete estreou em Alice Solves the Puzzle de 1925 da série  Alice Comedies (ou seja três anos antes do próprio Mickey), Kat Nipp estreou num curta do Mickey, The Opry House de 1929.


Mickey contracenando com Minni…