Pular para o conteúdo principal

Flash Gordon por Guido Fantoni



Conforme falei em outro post, a Alemanha nazista dominou a Bélgica e impediu a importação de quadrinhos americanos, dentre eles Flash Gordon de Alex Raymond, que teve histórias por Edgar P. Jacobs, contudo, isso já tinha acontecido na Itália fascista de Mussolini, em  1938, Guido Fantoni teve que ilustrar uma história de Flash Gordon (chamado de Gordon Flasce) na revista da L'Avventuroso, publicada pela Casa Editrici Nerbini.


Uma lenda urbana afirmava que Federico Fellini (1920-1993) havia roteirizado as histórias com desenhos de Giove Toppi, contudo,  isso foi desmentido por Leonardo Gori, que identificou Fantoni como o autor dos desenhos, Fantoni também havia ilustrado história dois outros heróis da King Features Syndicate: Mandrake e Fantasma, ambos criados por Lee Falk.


Para Gori, os roteiros eram diferentes dos outros trabalhos de Fellini, fã de quadrinhos, Fellini havia trabalhado com cartuns e quadrinhos antes da Segunda Guerra, ele também colaborava com roteiros de rádio e cinema, com o fim da Guerra, passou a trabalhar exclusivamente com cinema, contudo, manteve a influência dos quadrinhos em seus trabalhos, tendo inclusive elaborado storyboards de seus filmes, storyboard é um tipo de arte sequencial usada como guia para as cenas de filmes, muitos quadrinistas acabam trabalhando com storyboard por conta da experiência em quadrinhos. O produtor Dino De Laurentiis chegou a convidar Fellini para dirigir a adaptação de Flash Gordon, mas Fellini recusou, embora fosse um fã de quadrinhos, o cineasta não gostava de adaptações para outras mídias. Fellini voltaria a trabalhar com quadrinhos em parceria com Milo Manara, que produziu duas HQs baseadas em roteiros nunca filmados: Viaggio a Tulun, publicada em 1989 na revista Corto Maltese, baseado em um roteiro de Fellini publicado em seis partes no jornal italiano Corriere della Sera, e "Il viaggio di G. Mastorna", publicada em 1992 na revista Il Grifo, esse último foi produzido através de rafes ou breakdowns, uma espécie de storyboard usado pelos desenhistas para seguir exatamente o que roteirista gostaria de usar na história, mantendo a narrativa elaborada pelo mesmo.


O sucesso da série fez com que a Arnoldo Mondadori Editore, editora que assumiu a revista Topolino (revista do Mickey Mouse)  em 1935 (revista lançada originalmente pela Nerbini em 1932) encomendasse a série Saturno contro la Terra (1936-1946), escrita por Federico Pedrocchi e ilustrada por Giovanni Scolari.


Links

Guido Fantoni - Lambiek

Comic Book Legends Revealed #403

Milo Manara & Federico Fellini: Stories Without End

Desenhos de Fellini ganham animaçao em curta
75 anni fa L'Avventuroso


The Weirdest Things You Never Knew About the Making Of Flash Gordon


Federico Fellini - Lambiek

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cavaleiro da Lua em mangá

Uma postagem do quadrinista Jean Sinclair, colunista do site Multiversos Nerd, no Facebook mostrou mais uma tentativa da Marvel no Japão.

Como se sabe, em 1978, a Marvel licenciou o Homem-Aranha para uma série de televisão live-action ou tokusatsu como também são conhecidas essas produções no Japão, conforme comentei em outra postagem, essa série gerou mangás nas revistas TV Land , Tanoshī Yochien, TV Magazine (da editora Kodansha) e Bōken'ō (da editora Akita Shoten). Contudo, a Marvel tinha planos de licenciar mais personagens para a editora como Homem 3-D, Surfista Prateado e Cavaleiro da Lua, um concept art produzido por Ryu Nigouchi (famoso designer da Toei Company, além de trabalhos com Shotaro Ishinomori e Go Nagai) apresentou o visual do Cavaleiro da Lua, essa versão do herói foi comparado com outro herói japonês, o Gekko Kamen (algo como Máscara da Lua), surgido numa série de TV em 1958 e foi adaptado para os mangá por Jiro Kuwata, o cocriador de Oitavo Homem e também res…

Os mangas de Tarzan

Os quadrinhos franco-belgas de Lucky Starr, série juvenil de Isaac Asimov

Em 1951, o agente literário e escritor Frederik Pohl e o editor Walter Bradbury procuraram Isaac Asimov e sugeriram que ele criasse uma série infanto-juvenil para ser adaptada para a televisão, temendo ficar marcado por essa série, o escritor resolveu usar o pseudônimo Paul French (Paul francês em português), a série foi inspirada em Lone Ranger e o primeiro livro lançado no ano seguinte com o título David Starr, Space Ranger (As Cavernas de Marte no Brasil) pela Doubleday, em 1953, lançou Lucky Starr and the Pirates of the Asteroids, contudo, a série de TV nunca foi lançada, uma vez que em 1954 surgia a série de TV  Rocky Jones, Space Ranger, que inviabilizou o projeto.





O primeiro romance foi uma espécie de space western ou faroeste espacial, sendo inspirado no Lone Ranger, o personagem David Starr (cujo apelido era Lucky) usava inclusive uma máscara e era conhecido como Space Ranger, o romance foi ambientado em Marte, embora fosse uma obra juvenil, a descrição do planeta Vermelho foi…